top of page

2020

por Luísa Santos

Natureza sintonizada em um canal morto
 

2020

por Júlia Flamingo

 ~

Céu de sal, sal da terra

    Céu de sal, sal da terra (2020) , de Joana Patrão (1992, Barcelos) é um díptico-escultura-instalação. Concebido especificamente para o espaço de 1,20x1,20x2,35m do Lab Box, um espaço que, pelas suas características físicas, só pode ser acedido por uma pessoa de cada vez, implica uma imersão que determina uma leitura vertical, a partir do lugar / díptico-escultura-instalação que é, na verdade, uma paisagem.

    Artistas e arquitetos sempre se interessaram pela beleza e pelos mistérios da natureza, apresentando representações de diferentes formas e por diferentes meios, mas também reflexões e análises críticas. Com foco nos dois últimos, com inúmeros exemplos na história da arte desde o início da segunda metade do século XX, um salto temporal para a década de 1960 nos levará às experiências de land art, com peças como Linha feita andando (1967) – uma linha traçada sobre um terreno a partir de um caminho percorrido a pé por Richard Long, que parece traduzir visualmente a marca da pegada humana na natureza. Mais próximos dos tempos atuais, em que as discussões em torno da degradação do mundo natural e as causas e efeitos das mudanças climáticas são cada vez mais urgentes e intersetoriais para campos disciplinares e contextos culturais, sociais e econômicos, instâncias como Rododendros Resgatados (1999), de Simon Starling, oferecem uma reflexão sobre a relação entre o ser humano e a natureza de tal forma que chama à ação e, muitas vezes, configura uma intervenção na política. Neste projeto, o artista recuperou rododendros, plantas consideradas ervas daninhas pelo governo britânico e, como tal, destinadas à destruição. Ao colher sete amostras do norte da Escócia ao sul da Espanha, em um processo de reversão da introdução dessas plantas no Reino Unido em 1763 por um botânico sueco, ele ressalta as sutilezas, complexidades e paradoxos do que entendemos por natureza , ao lado de uma atitude claramente política que serve também de metáfora para questões xenófobas da pureza das espécies. Por sua vez, peças como as apresentadas por Olafur Eliasson na recente retrospectiva da Tate Modern ( Olafur Eliasson: In Real Life – julho de 2019 – janeiro de 2020) usam a manipulação do espaço para amplificar nossa autopercepção com tudo o que isso implica em relação ao processo consciência do papel que desempenhamos na natureza.

 

   A obra de Joana Patrão reúne estas tradições de investigação do papel do ser humano na natureza – por um lado, implica uma dimensão material da natureza e dos efeitos humanos (físicos) nesta materialidade e, por outro, uma ação simultaneamente física e mental para amplificar os processos individuais de percepção e consciência. Estas dimensões do Céu de sal, sal da terra podem ser lidas em três partes: i) experiência; ii) matéria; e iii) tempo.

 

e) Experiência

 

    A experiência de entrar no Céu de sal, sal da terra lembra a de Maurice Merleau-Ponty (1945) 1  noção de fenomenologia (e de seus predecessores nessa ideia, como GWF Hegel) e, em particular, da noção de experiência vivida como “ser-no-mundo-de-dentro-dele” 2 . Essa ideia expressa, por um lado, a inevitabilidade do contato entre o corpo e o mundo ao seu redor e, por outro, a necessidade da experiência física do mundo para compreendê-lo/conhecê-lo.

    Quando entramos no espaço do Céu de sal, sal da terra somos confrontados com uma (porção de) paisagem que existe nos limites dos nossos corpos. Para ver esta paisagem organizada segundo a estrutura linear céu-terra, sem linha de horizonte, é preciso estar dentro dela. Essa ação implica uma transformação do espaço em um “teatro de ação” em que, por um lado, o corpo flui em direção aos objetos (Merleau-Ponty, 2002:121 ) e, por outro, ambos os elementos (o sal que compõe a porção de céu e a pedra que compõe a fração de terreno em que pisamos) precipitam-se mutuamente e nessa precipitação nos atravessam e nos limitam.

 

ii) Matéria

 

   Se conhecermos essa porção de paisagem a partir da experiência de sua matéria em confronto com nossa própria matéria e fisicalidade então nosso corpo é uma matéria presente, inserida e viva, dessa paisagem feita de um céu salgado e um terreno de lioz calcário. O sal que se precipita sobre nossas cabeças guarda um simbolismo paradoxal – tanto preserva quanto corrói; protege tanto quanto impede o crescimento. Metáfora da relação entre vida e morte, pela sua capacidade de se dissolver em água e depois recristalizar, representa também o processo alquímico de divisão, depuração e reintegração, com a instabilidade que este processo acarreta. Com o aumento da umidade do ar, essa parte do céu feita de uma folha com cristais de sal pode se dissolver novamente e desmoronar sobre nós em seu movimento de retorno à pedra do chão.

    O calcário lioz pode ser facilmente associado, no contexto português, ao colonialismo, às narrativas de poder e domínio e à reconstrução de Lisboa após o terramoto de 1755. No entanto, o protagonista da narrativa de Céu de sal, sal da terra é a condição física e natural do material. A luz que atravessa o céu salgado evidencia a presença de fósseis de extintos rudistas, remotos habitantes deste território que agora ocupamos. O exercício que Joana Patrão nos pede é, assim, ao mesmo tempo físico (o de entrar no espaço) e mental (o de se tornar paisagem), apelando à imaginação material (Bachelard, 1980) 3  que resiste às transformações formais. O que esta resistência implica é que, mantendo sempre a sua substância, a matéria torna-se transversal aos tempos e às origens das imagens.

 

iii) Tempo

 

    Nesta paisagem, de céu salgado e fundo de calcário fossilífero, os nossos corpos parecem submersos num mar que já não existe, testemunho de um passado ou potencial de futuro. O conflito entre os diferentes tempos dessa paisagem – presente, passado e futuro – é colocado em confronto conosco. Em primeiro lugar, somos confrontados com o tempo presente, que limita nossos corpos a uma porção de céu e terra. Quanto aos organismos sedimentares marinhos revelados no calcário lioz, que se organizou em recifes, revelam uma época (e um substrato) em que Lisboa estava submersa no mar.

   Céu de sal, sal da terra restringe-se às dimensões estreitas responsáveis por uma sensação de confinamento entre um céu físico e uma terra, num tempo presente, mas a história e o simbolismo da sua matéria libertam-nos para uma paisagem muito mais extensa e temporalidade tão múltipla quanto nossas mentes permitem. Esse exercício de simultaneamente confinar e libertar serve de metáfora para a relação entre a microleitura da autopercepção e a macroleitura da condição humana: a ação individual, aparentemente benigna, de pisar no terreno também é coletiva. O que pisamos afinal são fósseis de rudistas extintos, testemunhos exemplares de uma espécie da última grande extinção em massa, de um passado que parece vir nos assombrar em um futuro próximo.


   Ou seja, Céu de sal, sal da terra é uma micro paisagem de 1,20x1,20x2,35m que nos confina aos limites dos nossos próprios corpos. Mas, ao implicar uma multiplicidade de espaços culturais, sociais e políticos, adota uma dimensão que nos transcende, impossível de medir fisicamente. O papel que escolhemos desempenhar – confinados à microescala ou conscientes de nosso potencial de mudança em macroescala – é de responsabilidade exclusiva de cada um de nós.

 

_______________

 

1      Merleau-Ponty, Maurice (1945). Fenomenologia da Percepção , trad. por Colin Smith, Londres 2002.

2     Dreyfus, Hubert L. & Dreyfus, Patricia A., “Introdução dos Tradutores” em Maurice Merleau-Ponty, Sense and Non-Sense , 1948, Evanston 1968, p. xii.

3     Bachelard, G. (1980). L'eau et le rêves: Essai sur l'imagination de la matière , Paris: José Corti.

seta back.png
bottom of page